Start na cultura digital

//Start na cultura digital

Start na cultura digital

Transformação. Independente se estiver como substantivo ou em modo verbal, esta é a melhor definição para os dias de hoje. Afinal, vivemos em um mundo volátil e conectado. E, claro, as empresas devem pautá-la em suas reuniões e plano estratégico junto à diretoria para implementá-la no seu dia a dia. Caso contrário, ficarão para trás e os negócios correrão riscos.

Mas, como acontece essa conversão dentro de uma cultura já enraizada na corporação? Você pode pensar: “Fácil! Use a tecnologia a seu favor”, porém, a resposta não é tão simples assim. Transformação está além da modernidade tecnológica. Ela se encontra no modo de agirmos e pensarmos. O que isso significa? Que uma empresa pode ter 60 anos de tradição e se equipar com o mais modernos softwares, mas se o gestor for resistente e não estiver disposto a acompanhar as tendências da geração milênio, jovens de 20 a 39 anos, que tem muito a ensinar, o seu negócio pode estar em risco.

Para ter essas mudanças alinhadas com a cultura da empresa é necessário seguir uma série de fatores. O primeiro e mais importante é a inovação. Não fique preso a ideia de que tempo de experiência é o diferencial, pois processos usados tempos atrás não são mais aplicados na atualidade. A população tem outro comportamento enquanto consumidor. O modelo de mercado se tornou personalizado, ou seja, ambientes hierárquicos foram reformulados, o profissional mais experiente tem muito a aprender com o jovem que acabou de entrar no mercado de trabalho. Além disso, a sustentabilidade também é a moeda da vez.

As empresas buscam adotar modelos de negócios mais transparentes aos seus colaboradores, dando espaço para integração e participação. Afinal, no século XXI a informação é trocada de igual para igual e a todo momento. O termo e “roupagem” de chefe ficou para trás, dando lugar ao líder que busca o crescimento da sua equipe. Nesta geração que está chegando ao mercado de trabalho é comum encontrar empresas físicas desertas, pois os profissionais usam a tecnologia a seu favor, inclusive trabalhando em home office.

Muitos gestores têm optado, entre outras coisas, por essas facilidades proporcionadas pelo mundo digital, das quais, em muitos casos, o funcionário rende mais num ambiente sem muito estresse. Paralelamente a isso, nesse modelo os custos são menores para o empreendedor, como energia, comida, itens básicos do dia a dia.

Por fim, é necessário aceitar os desafios e impactos impostos pela Era Digital, logo, essa série de transformações. Todas essas mudanças têm refletido diretamente no mercado de trabalho e na sociedade em geral. A dica é ficar antenado nas tendências, usando a tecnologia a seu favor, principalmente no ambiente corporativo. É preciso ainda compreender as necessárias e inevitáveis reestruturações nas organizações, trabalhando com novos modelos colaborativos e menos lineares.

 

*Juliana Eufrazio é Assessora de Imprensa Junior da Contextual Comunicação

By | 2019-09-06T17:59:58+00:00 setembro 5th, 2019|Blog|0 Comments

Leave A Comment